[Let's Share IT] IA: Uma Breve Reflexão - Fast. Innovation. Technology - Empresa de IT com filosofia e atuação global        
[Let’s Share IT] IA: Uma Breve Reflexão
Postado em 20 de março de 2019 #LetsShareIT

Por Mariano Santos, ExO Sales Executive do i9Triad, usina de Inovação da Triad Systems.

 

 

Você já percebeu que no universo High Tech muitas tecnologias são classificadas como modismo? Refletindo sobre isso, percebi que os altos e baixos da modernização podem ter relação com: falta de recursos técnicos e computacionais para serem produzidas de forma escalável, legislação (muitas vezes a inovação beira a criminalidade… exemplo: Uber) por não haver regulamentação, capacidade de torná-las acessíveis à população, saber o que fazer com ela, impacto nos negócios existentes, custo de produção, entre outras barreiras.

 

Quem assistiu os filmes do “Homem de Ferro” sabe do que estou falando. Howard Stark deixa uma mensagem para o seu filho Tony, informando sobre o potencial do reator arc, e de que na sua época não existia tecnologia suficiente para construção daquele reator, que teria a capacidade de gerar energia para uma cidade inteira. Pois bem, a Inteligência Artificial ou simplesmente IA ou em inglês (Artificial Intelligence – AI), também é um desses modismos… Será? Acompanhe meu raciocínio até o final deste texto, e tire suas conclusões.

 

Durante minha carreira, e provavelmente na sua também, hora ou outra nos deparamos com esse assunto em voga, mas nunca foi tão difundido como hoje em dia, não é mesmo? Não é à toa que IA é um dos assuntos mais quentes nas tendências tecnológicas no Gartner em 2019. Ah! Para quem está tendo o seu primeiro contato com o Gartner: essa é uma empresa global, considerada como a principal no setor de pesquisa e consultoria na área de tecnologia. Seus objetivos incluem, mas não se limitam, a ajudar os seus clientes ao redor do mundo com insights, ferramentas, pesquisas e direcionamentos para a construção da empresa do amanhã.

 

O termo Inteligência Artificial, não é novo, e muitas vezes sua criação é creditada ao professor e cientista da computação norte-americano John McCarthy, que além de ter cunhado esse termo por volta de 1955, também é conhecido por ser o criador da linguagem de programação LISP em 1958. Existe uma discussão muito grande do que é uma máquina inteligente ou inteligência artificial, mas isso ficará para um próximo artigo ou um texto bem maior, porque o assunto dá pano para mangas.

 

O fato é que IA tomou conta do imaginário das pessoas, além de ser combustível para várias discussões, bem como inspiração para livros e filmes. Falando em filmes, como não temer as máquinas do filme Matrix ou as do Exterminador do Futuro? Como não se emocionar com IA (e a jornada do menino robô programado para amar) e tantos outros?

 

Em seu best-seller (lançado em 2015 nos EUA) “Inevitável: as 12 forças tecnológicas que mudarão o nosso mundo” Kevin Kelly (escritor, futurista, fundador da revista Wired, por muito anos a principal publicação na área de tecnologia. Vale a pena conhecer um pouco mais sobre a vida profissional de Kelly!), apresenta a IA como sendo uma dessas forças: Cognifying, ou na tradução do livro em português, Cognificar. Em resumo, no meu entendimento, a IA é a ponte que a humanidade precisa para chegar em um outro ponto disruptivo da sua existência, como foi o fogo, a roda, o vapor e a eletricidade.

 

No nosso dia-a-dia, já convivemos com IA por todo lado, por exemplo, a Siri da Apple, Alexa da Amazon, a Cortana da Microsoft, o Watson da IBM, a BIA do Bradesco, a Aura da Telefônica, entre muitos outros serviços que nem sabemos que é uma IA. Possivelmente uma das inteligências artificiais mais assustadoras (no sentido de evolução) seja a robô Sophia, que impressiona pelo gestual de suas expressões faciais. Além disso, as grandes empresas e potências mundiais estão trabalhando incansavelmente para melhorar os seus projetos de IA.

 

Concluindo, minha opinião é que ainda estamos engatinhando no mundo da IA, e há muito o que ser feito. Por outro lado, a Lei de Moore, que pode ser entendida pelo aumento de 100% do poder computacional a cada 18 meses, mantendo-se o mesmo custo, tem se mantida verdadeira ao longo dos anos. Além disso, tem alavancado a utilização das IAs, a popularização e uso dos smartphones, redes sociais, consoles de jogos, enfim, a integração de uma grande massa com poder de compra que é, pode, poderá (ou não) ser explorada das mais variadas formas possíveis.

 

 

Ref.: https://www.gartner.com/en/newsroom/press-releases/2019-02-18-gartner-identifies-top-10-data-and-analytics-technolo

 

 

 

O propósito do Programa #LetsShareIT é dar voz aos talentos da Triad, possibilitando que cada um deles compartilhe parte de seu conhecimento, dentro do universo de TI, em formato de artigo opinativo. Let’s share IT!

voltar

Busca

Youtube

Siga nossas redes sociais